Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Parque Aquático Maria Lenk é apresentado após obras de ajuste para o Rio 2016

Saltos ornamentais

12/02/2016 13h09

Eventos-teste

Parque Aquático Maria Lenk é apresentado após obras de ajuste para o Rio 2016

A reforma teve investimento municipal de R$ 21,4 milhões para construção de nova piscina de aquecimento e ginásio para treino a seco. Instalação foi construída para o Pan de 2007, quando recebeu R$ 60 milhões de recursos do Ministério do Esporte
1 | 4
Estrutura reformada do Parque Aquático Maria Lenk, no Parque Olímpico da Barra. Foto: Carol Delmazo/Brasil2016.gov.br
2 | 4
Piscina de apoio da estrutura do Maria Lenk. Foto: Carol Delmazo/Brasil2016.gov.br
3 | 4
Cama elástica para treinamento. Foto: Carol Delmazo/Brasil2016.gov.br
4 | 4
Plataformas e trampolins do Maria Lenk. Foto: Carol Delmazo/Brasil2016.gov.br
IMG-20160212-WA0006.jpg
IMG-20160212-WA0008.jpg
IMG-20160212-WA0010.jpg
IMG-20160212-WA0016.jpg

O Parque Aquático Maria Lenk foi apresentado, nesta sexta-feira (12.02), pela prefeitura do Rio de Janeiro, após as obras de adequação realizadas para os Jogos Olímpicos. Com investimento municipal de R$ 21,4 milhões, o local ganhou nova piscina de aquecimento, ligada ao deque da piscina de competições por uma rampa, e um novo ginásio com tanque seco para treinamento. A plataforma de saltos e o posto médico também foram reformados. A instalação ganhou ainda novos banheiros para pessoas com deficiência. O novo Maria Lenk será testado pela primeira vez já na semana que vem, quando o parque receberá 272 atletas de 49 países para a Copa do Mundo de saltos ornamentais, de 19 a 24 de fevereiro, que é evento-teste na modalidade e distribuirá 92 vagas olímpicas.

“A gente entrega hoje os elementos mais importantes. Tem apenas uma parte de energia que ainda precisa ser entregue na fase final. Temos uma nova piscina de aquecimento e uma nova área de aquecimento seco que é fundamental para os atletas. E é um equipamento que já tem destinação. O Time Brasil funciona aqui, você tem um laboratório que vai ser inaugurado em breve aqui embaixo, já tem um legado definido”, disse o prefeito Eduardo Paes.

Hoje com uniforme da organização, já que estará na coordenação da área de competição no evento-teste, o ex-saltador brasileiro Cassius Duran comentou a nova estrutura. “A piscina não deve nada a nenhuma de nível internacional. Temos três trampolins, tudo dentro das medidas da Federação Internacional, as plataformas estão com o melhor tapete do mundo pra isso. O ginásio tem todos os equipamentos que os atletas precisam para o treinamento da modalidade. Não foi medido esforço pra alcançar excelência na estrutura”, disse.

O Parque Aquático Maria Lenk foi construído para os Jogos Pan-Americanos Rio 2007 e, na época, contou com R$ 60 milhões em recursos do Ministério do Esporte. A área de competição foi projetada de acordo com os requisitos da Federação Internacional de Natação (FINA) e possui capacidade para 6,5 mil espectadores. 

IMG20160212WA0012.jpg
Maria Lenk receberá competições de saltos ornamentais, nado sincronizado e polo aquático. Foto: Carol Delmazo/Brasil2016.gov.br

Estrutura aberta

O fato de ser uma estrutura aberta foi um ponto de crítica ao Maria Lenk por parte da FINA no ano passado. Uma cobertura custaria em torno de R$ 20 milhões, segundo Eduardo Paes, e foi descartada pelo prefeito, que reafirmou o argumento de economia de recursos públicos e o fato de que o parque aquático atende a todos os requerimentos do Comitê Olímpico Internacional (COI). 

Como atleta, Cassius Duran competiu em várias estruturas em todo o mundo e explicou, nesta sexta, que são comuns as disputas em locais abertos. Ele disse que as condições de temperatura influenciam, mas é algo que vale para todos os atletas e por isso é tão importante a chegada antecipada das delegações. 

“Dependendo da orientação do atleta no ar, dependo do horário da competição, o sol pode acabar 'cegando' o atleta enquanto ele está visualizando o salto. A chuva atrapalha por uma questão de escorregar, e o vento dá pequenas desequilibradas que acabam atrapalhando um pouco também. Mas (competir em instalações abertas) é comum, é uma situação normal, por isso que as pessoas chegam com uma semana de antecedência para fazer aclimatação. Todos os países que treinam em piscina coberta, num primeiro momento, têm uma dificuldade em relação ao céu, então tem uma semana de adaptação, de visualização do local, pra chegar no dia da competição em perfeitas condições”, explicou.

Vírus zika

Na apresentação do Maria Lenk, o prefeito Eduardo Paes também falou sobre o vírus zika, reforçando que é um desafio do país, e não uma questão olímpica. Ele disse que não pretende minimizar o problema, mas vê exagero na abordagem do tema.

“A gente primeiro tem um fato que é o desconhecimento em reação ao vírus zika. Temos muito mais casos de dengue. E o período da olimpíada é um período em que o mosquito não está procriando, é uma situação muito melhor, mesmo em anos de epidemia. É um período mais seco, menos quente.  Mas cabe tomar as precauções devidas, dar as explicações devidas, mostrar que estamos fazendo de tudo pra evitar qualquer perigo para qualquer atleta ou visitante. Só acho que há um certo exagero, morre muito mais gente de gripe ou dengue do que zika. Tem que tratar do tema, não quero minimizar, mas não é um tema olímpico, é um tema do Brasil. E assusta mais pelo desconhecimento”, disse.

Precauções

De acordo com Cassius Duran, todas as precauções estão sendo tomadas na instalação para evitar o Aedes aegypti. “Aqui a gente está tomando muito cuidado com higiene, limpeza, para evitar qualquer tipo de foco de acúmulo de água. Os atletas e as delegações estão orientados  e a gente está fazendo o dever de casa de manter o local adequado”.

Ex-nadador e gerente de Esportes Aquáticos do Comitê Rio 2016, Ricardo Prado informou que não houve nenhum pedido de cancelamento de inscrição por conta do temor. Ele também falou sobre o fato de receber, na mesma instalação, três modalidades. Além de todas as competições de saltos ornamentais e de nado sincronizado, o Maria Lenk sediará também a primeira fase da disputa do polo aquático. 

“A gente entende que vai ficar bastante apertado, nunca foi feito antes, mas é possível. Operacionalmente a gente está se preparando e por isso também a gente encara com seriedade os eventos-teste”, disse.

Carol Delmazo,brasil2016.gov.br