Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Judô paralímpico brasileiro conquista nove medalhas no Pan no Canadá

Judo paralímpico

13/01/2020 16h32

Judô paralímpico

Judô paralímpico brasileiro conquista nove medalhas no Pan no Canadá

Competição contou pontos para o ranking de classificação para os Jogos Paralímpicos

A seleção brasileira de judô paralímpico encerrou sua participação no 2020 IBSA Judo American Championship, no último domingo (12.01), com nove medalhas conquistadas, sendo cinco de ouro. Dos 12 atletas que foram a Montreal, no Canadá, apenas dois não pegaram pódio – além de Giulia Pereira, que nem lutou por falta de oponentes na categoria (até 48kg).

A primeira competição do ano valendo pontos para o ranking mundial reeditou vários encontros dos Jogos Parapan-Americanos, realizados em Lima, em agosto do ano passado. Os brasileiros enfrentaram novamente muitos de seus adversários daquele torneio, e a maioria se saiu bem novamente.

O sul-mato-grossense Luan Pimentel, por exemplo, enfrentou – e derrotou – três rivais que ele já havia superado no Parapan para confirmar mais uma medalha de ouro para o currículo. Assim como em Lima, seu adversário final foi o argentino Fabian Ramirez, outra vez derrotado por ippon.

12560d64efa04af4b3c2685778843dd7_3x2.jpeg
Foto: CBDV

"Essa competição foi muito importante para mim, estava precisando de pontos no ranking para subir o mais rápido possível. Consegui a medalha de ouro e vou continuar na briga pela vaga", festejou o atleta do Ismac-MS. Vale lembrar que é com base no ranking que serão definidos os participantes dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, em agosto, no Japão. Na última lista, divulgada em outubro, Luan aparecia na 14ª colocação.

Quem também repetiu o feito dos Jogos peruanos e subiu ao lugar mais alto do pódio em Montreal foi Lúcia Teixeira, oitava melhor judoca do mundo na categoria até 57kg. Ela derrotou duas vezes a argentina Laura Gonzalez, a quem também vencera em Lima na disputa pelo ouro.

"Ganhar medalha é sempre importante, ainda mais essa que pontuou diretamente para o ranqueamento internacional. E ser campeã das Américas não tem preço! É uma preparação, a gente passou dezembro quase todo treinando. E sair dessa competição com a medalha quer dizer que o trabalho está sendo bem feito. E é uma de mais duas competições que pontuam direto para Tóquio, isso só fortalece nossa preparação", disse a paulista, que compete pelo Cesec-SP.

Além do torneio canadense, os atletas terão apenas outras duas etapas do Grand Prix da IBSA, uma na Inglaterra, em abril, e outra no Azerbaijão, em maio, para pontuarem.

Pesados

O Brasil mostrou estar muito bem representado entre os judocas mais pesados das Américas. No masculino, Antônio Tenório, o maior medalhista paralímpico da modalidade, ficou com o ouro na categoria até 100kg. Entre os atletas com mais de 100kg, Wilians Araújo provou mais uma vez estar recuperado de lesão e ganhou do cubano Yordani Fernández na final.

Entre as mulheres, as paulistas Meg Emmerich e Rebeca Silva repetiram a final do Parapan. Assim como no Peru, Meg, de 33 anos, usou sua experiência para derrotar a jovem oponente de 18. Eleita a melhor atleta da modalidade no último Prêmio Paralímpicos, ela ampliou sua coleção de ouros.

Confira o desempenho de todos os brasileiros que foram a Montreal:

Giulia Pereira - não lutou, pois era a única da categoria
Karla Cardoso - PRATA
Maria Núbea Lins - fora do pódio
Lúcia Teixeira - OURO
Rebeca Silva - PRATA
Meg Emmerich - OURO
Antônio Tenório - OURO
Thiego Marques - BRONZE
Luan Pimentel - OURO
Harlley Arruda - fora do pódio
Arthur Silva - PRATA
Wilians Araujo - OURO

Fonte: Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), com informações da Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV)